Divagações... · Estive Pensando · Meus Escritos

Eu também queria receber…

sem-titulo

Às vezes dá uma vontade MONSTRO de gritar pro mundo tudo o que ninguém sabe, mas deveria saber. Dá vontade de dizer pra aquela pessoa que SIM, ELA ME MAGOOU, e SIM, ELA PRECISA PEDIR DESCULPA. Dá vontade de pedir um pouco mais de amor, de pedir que se deixe o orgulho de lado, de pedir que se tome o primeiro passo. Dá vontade de falar, e falar de novo e mais um pouco, até que todos entendam que EU TAMBÉM PRECISO.

Preciso de uma amizade sincera, preciso que me façam algo legal ~ sem segundas intenções. Preciso que aceitem meus erros, e que queiram meus defeitos e que entendam que ELES VEM JUNTO COM MINHAS QUALIDADES, pois também são partes de mim. Preciso que percebam que NÃO, EU NÃO TENHO OBRIGAÇÃO DE ME DOAR SEM MEDIDA, como sempre faço. Preciso que se doem pra mim ao menos um pouco do que me doo, e preciso, COMO PRECISO, que ME DEEM O VALOR QUE MEREÇO.

Foi difícil perceber que sou IMPORTANTE e que é importante também ser notada, se sentir especial pra alguém. Pra alguém que tem a mania de se sentir inferior, isso faz toda a diferença do mundo. Percebi que também preciso de atenção, também preciso me levar em consideração, também preciso me colocar em primeiro lugar, também preciso RECEBER.

Queria receber um olhar de compreensão quando vir alguma m*rda num momento de raiva ou TPM. Queria receber um pedido de desculpas sincero quando ambos erramos. Queria que dessem o primeiro passo, engolissem o orgulho, baixassem a cabeça pra mim. Queria receber um pouco do que dou. Queria que percebesse que também tenho sentimentos, que também preciso de uma mensagem de carinho, um favor, que não é porque não exijo que não preciso. Queria receber mais de quem conheço, e não precisar procurar apoio o tempo todo de gente desconhecida. Queria receber. E queria, mesmo, que as pessoas que vivem pro seu próprio umbigo pudessem notar que não preciso só doar, que não tenho obrigação de me doar, que eu também queria RECEBER!

Divagações... · Estive Pensando · Sem categoria

PROFUNDIDADE

dadsfsf

O profundo sempre me fascinou completamente. Mesmo quando criança, não era daquelas que gostava de esportes, de correr, de esconder. Preferia ler livros, viajar para lugares distantes, me ver como bruxa, cientista, diplomata, até mesmo princesa de contos de fadas. Nunca fui convencional, nem nunca gostei do que todo mundo gostava.

Na adolescência ficou tudo bem mais complicado. Enquanto todos só queriam saber de festas e namoros, eu queria viajar, fazer intercâmbio, ouvir Marisa Monte… Todos me achavam esquisita. Eu achava todos muito superficiais. Queria que me enxergassem além daquela “nerd” que amava passar o recreio na biblioteca. Queria que se enxergassem além das festas que iam e das pessoas com quem queriam ficar.

Até hoje me pergunto como a sociedade ficou tão SUPERFICIAL. As pessoas representam o tempo todo, nas redes sociais, mostrando seus corpos malhados, suas posses e até seus filhos como se fossem objetos. Tudo tão raso. E todos sabemos que nada daquilo é, realmente, como parece ser. Às vezes imagino se somente eu questiono tudo isso. Se sou a única que questiono as letras das músicas. Se seu a única que não vê sentido em passar horas na academia e comendo batata-doce com clara de ovo. Se sou a única que gosta de gastar tempo com as pessoas conversando sobre política, economia, filosofia…

Não que me considere superior a qualquer pessoa no mundo. Longe disso! Quem me conhece sabe como luto com “complexo de inferioridade” o tempo todo. Só acho que todo mundo, inclusive eu, pode e deve buscar mais PROFUNDIDADE. Para que viver de assistir os Kardashian, querer colocar silicone, idolatrar pessoas que nada tem a oferecer? Seria bom, de verdade, se envolver com coisas que realmente fazem sentido. Em vez de fofocar o tempo todo sobre aquela “menina do short curto”, por que não falar sobre feminismo? Em vez de achar graça nas piadas sem graça dos garotos, por que não se envolver em causas sérias e que merecem nossa atenção?

É difícil, eu sei, ir contra a corrente e não fazer o que todos fazem nessa sociedade RASA em que vivemos. Mas vai valer a pena, garanto, se jogar nesse “abismo” de PROFUNDIDADE, experimentar, questionar, errar e acertar. Vai ser melhor do que continuar no mesmo lugar. Vai ser melhor do que seguir todo mundo. Isso eu garanto!

Divagações... · Meus Escritos

Pare de pensar que você não consegue

faith-vs-fear

As coisas estão indo bem. Parece que tudo está conspirando ao meu favor. Estou bem, todos estão bem ao meu redor, meus sonhos estão se realizando, meus planos estão caminhando bem. Acho que é o momento certo pra continuar. Acho que quero dar mais uns passos, quero me desafiar a conquistar mais coisas, quero prosseguir e tirar mais sonhos do papel – ou do pensamento. Sou forte. Estou bem. Acho que consigo.

Mas então, vem aquele pensamento. Aquele sentimento intruso que aparece sem ser convidado e arruína minha confiança. Penso que não sou normal. Que, com todos os meus problemas, não vou conseguir progredir. Afinal, sonhos exigem esforço. Esforço exige equilíbrio. E não tenho isso. Não vou conseguir.

Claro que estou bem agora, mas e depois? Depois, tudo pode mudar. E se for difícil? E se não der certo? E se tudo desmoronar e eu não aguentar? As coisas não vão ficar tão boas assim por muito tempo, certo? É tudo questão de tempo, até tudo desmoronar de novo? Será que aguento? Será que consigo? Será que vai dar certo? Será?

Para! Para um pouco! Não entra nessa não! Tudo está bem, você está bem agora, e é isso o que importa. Você tem tudo o que precisa pra ser muito feliz. Você vai conseguir, você é forte, VOCÊ MERECE! Para de pensar que você não consegue. Pensamento é força, e você precisa dessa força a seu favor. Coloque seu pensamento do seu lado. Pense que vai dar certo. Pense que você vai conseguir. Pense que está tudo bem. Pois, olha ao seu redor. Tudo está tão, tão bem! Você consegue. Você é capaz! Sua força é bem maior do que imagina. Você. Consegue. Ponto.

Sem categoria

Lutando contra a ansiedade

Brigar contra a ansiedade já passou a fazer parte da minha vida. Acordar com coração acelerado e ter que contar a respiração umas mil vezes até se acalmar, ficar pensando em “besteiras” até que falte o ar e depois ter que controlar o pensamento e focar no agora, estar o dia inteiro em “estado de alerta”, como se algo horrível fosse acontecer a qualquer momento.

Isso é algo muito DESGASTANTE! Um sentimento muito peculiar, extremamente difícil de lidar, que às vezes me dá desespero, vontade de me “descabelar” hahah… Sabem como é isso?

Nossa, não é nada fácil!

A “vantagem” disso tudo (se é que posso dizer assim), é que, em diversas ocasiões, consigo manter o controle e até mesmo “esquecer” daquilo que me angustia. Umas vezes é difícil, outras se torna algo fácil, simples, e consigo passar uns bons meses sem aquilo me perturbando, até que tudo retorna de novo, e a luta continua.

Considero que tudo o que acontece com a gente no mundo tem uma vantagem, uma lição a ser aprendida, e com isso não é diferente. Pra mim, acho que isso tem grandes chances de ser algo com que terei que lidar toda minha vida, por isso estou sempre procurando “novas maneiras” de lidar, de vencer, de contornar essa ansiedade. E, acho, estou até me saindo bem! Não sei por quanto tempo a “crise da vez” vai durar, mas sei que estou me esforçando diariamente para me manter calma e positiva, então, queria registrar esse desabafo aqui, pras pessoas que também enfrentam isso, pra quem acha impossível não surtar, porque, sério, o que NÃO PODEMOS FAZER NUNCA É NOS ENTREGAR A ALGO QUE NOS FAZ MAL. Isso é um mandamento de vida pra mim!

E como amo muito vocês hahah, e pra deixar um recadinho pra mim mesma nos momentos mais “punk”, aqui vão algumas “fórmulas” que uso quando estou numa fase ansiosa da vida, e que dão super certo comigo! Boa sorte pra nós!

1. Meditação e controle da respiração – Meditar sempre foi uma peça chave pra enfrentar a ansiedade. Quando não consigo dormir, quando estou com falta de ar ou com coração acelerado, gosto de parar o pensamento, e me focar apenas na respiração.

2. Manter a mente ocupada – Isso é bom pra melhorar MUITO a vida diária. Pra gente não ficar “pensando em besteira”, precisamos nos manter ocupadas com coisas boas. Leia, ouça música, cozinhe, o importante é não deixar a mente vazia.

3. Tomar chá de camomila, água com açúcar, etc – Tem umas bebidinhas que tomo quando estou “surtada” hahah… Pra aqueles momentos em que estou mais nervosa, tremendo mesmo, sentar e tomar um chá bem devagar exerce um efeito bem calmante.

4. Me divertir ou ter um momento bem relaxante durante o dia – Durante a noite, quando Davi vai dormir, aproveito para fazer algo relaxante. Tomar um vinho, olhar as estrelas, ver um bom filme, fazer coisas positivas pra que eu possa dormir mais tranquila…

5. Escrever e mentalizar coisas positivas – O ruim da ansiedade é que ela nos torna pessoas negativas e temerosas por um futuro que pode nem acontecer. Então, para quebrar esse ciclo, nada melhor do que a POSITIVIDADE! Procuro sempre me manter positiva, pensar em coisas boas, e entender que aquilo é coisa da minha cabeça, nada mais!

Espero que tenha ajudado quem está na mesma situação que eu, e esteja me ajudando também a superar mais essa fase!

No mais: FIGHTING! (Lutando, nunca desistindo, ok?)

fighting-korean

Xêro Grande!

Li e Adorei! · Livros, séries e algo mais

Li e Adorei: Estou órfã de blog

hjtrysry

Oi amores!

Já falei algumas vezes sobre os blogs que amo por aqui. Aliás, já comentei muitas vezes o quanto sou fã dos blogueiros, dos conteúdos variados que produzem, de todos os tipos, cada um melhor que outro. 🙂 Nos posts, falei do Chez Noelle, do DESANCORANDO (meu favorito), Morando Sozinha, acho que do blog da Karol Pinheiro, entre outros… esses blogs queridinhos me ajudaram a superar baixa autoestima, ansiedade, tristeza, me fizeram descobrir meu estilo, me mostraram um mundo todo novo de possibilidades, que me fizeram mudar diversos pensamentos na minha vida!

Porém, algumas coisas tem me deixado bem triste ultimamente! Muitos blogs tem perdido a autenticidade, percebo que tem muito “mais do mesmo” por aí. Além disso, por outro lado, tenho visto o desinteresse em blogar por parte de blogueiros queridos, postando cada vez menos, me deixando ÓRFÃ de blog. Triste isso!

Não sei o que tem ocorrido, se esse mundo publicitário que invadiu a “blogosfera” transformou os blogs, antes tão originais, em xérox uns dos outros. Se o estímulo acabou. Só sei que sinto falta do início, dos blogs fazendo a diferença na minha vida, daqueles conteúdos pessoais bem feitos, que faziam me identificar com a pessoa por trás do blog

Portanto, aceito indicações de blogs novos, e aproveito para indicar o EXTRAORDINARIANDO, o L’explorateur, o Divergências Vitais, o Carioca do Interior, o do Mariel, o Amor, Vida, Fé, o Mire na Lua, entre outros maravilhosos que encontrei por aqui, e que me fazem acreditar que a blogosfera ainda tem solução!

Xêro Grande!

Divagações... · Estive Pensando · Sem categoria

Um mundo cheio dos sabe-tudo

hjtrysry

Cada vez que se abre o Facebook, ou qualquer outra rede social “bombada” da atualidade, você é bombardeado com mil e uma postagens retratando vidas perfeitas, estilos de vida perfeitos, filosofias de dar inveja a Freud. Aparecem na sua timeline garotas fitness com pernas malhadas e pratos contendo uma “deliciosa” salada verde com bastante batata doce e frango grelhado; mães modelo mostrando os presentes que deram aos filhos ou fotografando o estilo dos pequenos; casais felizes, amizades verdadeiras, lindas fotos do perfil fotografadas durante viagens, com frases inspiradoras contando “verdades” – homens e mulheres lindos (sem photoshop) e inteligentes!

Hoje, no mundo virtual, todo mundo SABE DE TUDO. Todo mundo é perfeito, vive vidas perfeitas, é exemplo de pai, mãe, filho, tio/tia, avô/avó, amigo/amiga, profissional… Todos tem algo a dizer, verdades absolutas sobre política, religião, banalidades do dia a dia, etc, etc, etc. E na internet só vemos as coisas mais lindas, cada pessoa mais inspirada que outra (usando citações, obviamente), versículos bíblicos mostrando uma fé inabalável, felicidades incontáveis, além de tour disso, check-in daquilo, e bote “inveja” e “recalque”, todos invejam essas vidas lindas, né isso?

Mas tudo estaria bem, se tudo isso, realmente, RETRATASSE AO MENOS 1% DA REALIDADE. Mas ninguém, nem você, nem a garota fitness, nem a mãe do baby boy, nem nenhum dos “pseudo-formadores de opinião”, nem aquelas fotos tiradas na mesa do restaurante, são mais do que momentos pequenos, ínfimos, na VIDA REAL de PESSOAS REAIS, que muitas vezes se encontram alienadas “vivendo” o que não existe, ou observando essas pessoas postando tudo isso. Encontramos, VERDADEIRAMENTE, pessoas que compartilham sobre “caridade” desperdiçarem comida todos os dias, mães que ficam mais tempo no celular do que com seus filhos (afinal, crianças de 2 anos ficarem o dia todo no celular é ABSOLUTAMENTE NORMAL, todos são assim), pessoas se comunicando através do celular com quem tá longe e ignorando quem tá perto, casais se separando por falta de comunicação, pessoas que não saem de casa sem maquiagem com medo de que vejam quem realmente são, por trás de tantas MÁSCARAS.

E os alertas não param de chegar, mas estamos tão distraídos olhando pra tela que não percebemos. Não sabemos o que nossos filhos adolescentes estão fazendo, não lutamos pra tornar real os sonhos que postamos nas redes sociais, achamos normal aquele parente chegar, tirar uma foto com nosso filho, mas negar brincar com ele nem por um minuto, afinal, o que importa é que tá no facebook como “#amomaisquetudo”, não é mesmo? Me desculpem, mas não faço parte disso! Não, eu não sou perfeita, não sou bonita nem fitness, não estou cheia de verdades (nem sei bem o que acontece no mundo), não sou exemplo de mãe, filha, amiga, esposa. SOU APENAS UMA PESSOA REAL! Eu trabalho, escrevo meus próprios textos, por mais toscos que sejam, brinco com meu filho, e brigo MUITO também, não formo um casal perfeito com meu esposo (brigamos bastante, pra ser sincera), não viajo todo o tempo, me divirto em casa de frente pra televisão. E tenho medo. E fico triste. E tenho raiva. E muitas vezes peço desculpas por estar ERRADA. Não sou a dona da razão. Não sou um dos sabe-tudo! Mas, sabe, eu cresço assim. Errando, me permitindo, SENDO NORMAL. Não sou extraordinária em nada que faço, e nem você que posta que é, mas eu ADMITO ISSO! E por admitir, eu cresço. Queria MUITO que a gente aprendesse isso. Que vivesse mais, e postasse menos. Que reaprendesse a brincar com os filhos (e sobrinhos, e netos), que puxasse conversa com os amigos, que saísse com o marido pra jantar fora e conversar, de verdade, sem precisar tirar uma selfie a cada 10 minutos. Queria que a gente parasse de ser sabe-tudo, e que parasse de pensar que todo mundo tem inveja de nós. Porque ninguém precisa ter inveja de ninguém. Pode não parecer, mas aquela mãe também dá um tapinha no filho na hora da raiva, aquela garota linda também acorda feia, leva fora do namorado, tem que arrumar o quarto, e muitas vezes não é tão linda por dentro. São só vidas, só pessoas. Somos só nós. Não somos sabe-tudo, pois de verdade, não sabemos de NADA. E o legal é mesmo isso!

Me Inspira!

O lado NÃO GLAMUROSO da maternidade

Alerta! Esse post é um pouco bizarro para quem não conhece de perto a maternidade. Prepare-se para emoções fortes! Haha

Desde que fui mãe, vivenciei muitas coisas lindas. O primeiro passo, primeira palavra, as inúmeras risadas e os “eu te amo”. É algo lindo de viver, ter um filho é a experiência mais incrível que já vivi… Porém, como tudo na vida, tem seus altos e baixos. E, no dia a dia, tem algumas “surpresinhas” que só passando pra saber. Então, como boa piadista que sou, resolvi falar um pouco do que já vivi de menos “glamuroso” como mãe. hehe

1. Você escuta as coisas mais bizarras daquele “pequeno serzinho”. Não sei se só Davi é assim, mas, povo, já escutei cada coisa daquele menino! Desde bruxa, mãe péssima, e por aí vai! Haha E juro que não sou daquelas mães impacientes, sou até bem tranquila. Ah, fora isso, ele diz que o dia está péssimo, que vai dar um “murro” no pai, ou até “vocês vão me matar é?”. hahah Não sei de onde ele tira essas “pérolas” haha.

shutterstock_19392532-347x3131

2. Você se torna um pouco nojenta. Sério, o que antes pra você era um nojo (tipo, xixi, cocô, vômito) passa a ser algo normal. A gente mãe é meio esquisita, fica olhando o cocô pra ver se tá tudo bem, e por aí vai! Hahah Meio estranho isso!

trocarfraldas

3. Suas coisas sempre estarão desarrumadas de cheias de “lembretes” deles. Minhas maquiagens são uma desordem, cheias de buracos que ele faz com o dedo. Sempre encontro na minha bolsa algum brinquedo dele, ou um pedaço de massinha sujando tudo. Haha Entendam uma coisa: depois que for mãe, não tem essa de “isso é meu”. Tudo é dele, também! 😉

carroposfilhos

4. Você dá uma pirada às vezes, daquelas de querer sumir do mapa. Isso é muito engraçado! Tem vezes que Davi dá tanto trabalho que penso em deixar ele com o pai e sumir sem rumo! Hahahah Sei que esse é um pensamento louco e sem nexo, mas às vezes tenho essa ideia de “sair de fininho sem ninguém ver”! Hehe

mulher-irritada-thumb4512778

5. Tudo que seu filho pega, você pega também. Sério, desde doença, sujeira, até piolho! :0 Nossa, não conto as vezes que fiquei doente desde que Davi foi pra escola. Sem exageros, acho que adoeço até mais que ele. Triste realidade!

maedoente

6. Seus momentos íntimos se tornarão públicos. Sabe aquilo de ir ao banheiro, tomar banho, trocar de roupa, dar um cochilo, na maior tranquilidade? Eu não sei mesmo! Haha Minha intimidade e privacidade diminuíram muuuito desde que Davi nasceu. Agora, me considero uma pessoa pública! Haha Todo mundo tem direito de ver tudo o que faço! Ahahahahahhah Aff!

untitled

Sei que parece meio exagerado, mas só descontraindo! 🙂 Ser mãe é maravilhoso, e as dificuldades só tornam a jornada mais linda e desafiadora!

Xero grande!