Divagações... · Estive Pensando · Me Inspira! · Sendo Eu

Ser mãe!

20150629_211139-1

Ontem, quando Davi chegou da escola, eu estava tirando umas roupas do varal (trabalha menina! Haha); ele entrou, falou comigo, e começou a mexer em algo no jardim. Continuei fazendo meu serviço e então, de repente, ele me chama, dizendo que “quer me dar um presente”. Quando eu entro em casa, e chego perto dele, ele, com toda inocência de criança, me dá um “buquê”, com umas florzinhas que ele tinha colhido do jardim, e então me fala: “Mamãe, você vai ganhar o presente que papai vai comprar, e o presente da escola, mas queria te dar esse presente. Esse é o meu presente do dia das mães pra você”. Me derreti com aquelas palavras, com aquele sorriso, com aquele que é a pessoa mais importante do mundo pra mim! Esse pequeno gesto fez meu dia das mães, que ainda nem chegou, ser o melhor de todos. Foi PERFEITO! E naquele instante, com aquele gesto tão maduro daquele pequeno ser de apenas cinco anos, todo choro, teimosia, noites em claro, preocupações, brigas, tudo valeu a pena.

Naquele momento, como em tantos outros, tive orgulho de SER MÃE! Soube que SER MÃE é o maior presente que Deus poderia ter me dado, pra vida toda. A flor, o gesto, foi – de verdade – o segundo presente mais lindo que ganhei. Pois Davi, quem me deu o presente, foi e é uma dádiva maior ainda, a maior da minha vida!

Me Inspira!

O lado NÃO GLAMUROSO da maternidade

Alerta! Esse post é um pouco bizarro para quem não conhece de perto a maternidade. Prepare-se para emoções fortes! Haha

Desde que fui mãe, vivenciei muitas coisas lindas. O primeiro passo, primeira palavra, as inúmeras risadas e os “eu te amo”. É algo lindo de viver, ter um filho é a experiência mais incrível que já vivi… Porém, como tudo na vida, tem seus altos e baixos. E, no dia a dia, tem algumas “surpresinhas” que só passando pra saber. Então, como boa piadista que sou, resolvi falar um pouco do que já vivi de menos “glamuroso” como mãe. hehe

1. Você escuta as coisas mais bizarras daquele “pequeno serzinho”. Não sei se só Davi é assim, mas, povo, já escutei cada coisa daquele menino! Desde bruxa, mãe péssima, e por aí vai! Haha E juro que não sou daquelas mães impacientes, sou até bem tranquila. Ah, fora isso, ele diz que o dia está péssimo, que vai dar um “murro” no pai, ou até “vocês vão me matar é?”. hahah Não sei de onde ele tira essas “pérolas” haha.

shutterstock_19392532-347x3131

2. Você se torna um pouco nojenta. Sério, o que antes pra você era um nojo (tipo, xixi, cocô, vômito) passa a ser algo normal. A gente mãe é meio esquisita, fica olhando o cocô pra ver se tá tudo bem, e por aí vai! Hahah Meio estranho isso!

trocarfraldas

3. Suas coisas sempre estarão desarrumadas de cheias de “lembretes” deles. Minhas maquiagens são uma desordem, cheias de buracos que ele faz com o dedo. Sempre encontro na minha bolsa algum brinquedo dele, ou um pedaço de massinha sujando tudo. Haha Entendam uma coisa: depois que for mãe, não tem essa de “isso é meu”. Tudo é dele, também! 😉

carroposfilhos

4. Você dá uma pirada às vezes, daquelas de querer sumir do mapa. Isso é muito engraçado! Tem vezes que Davi dá tanto trabalho que penso em deixar ele com o pai e sumir sem rumo! Hahahah Sei que esse é um pensamento louco e sem nexo, mas às vezes tenho essa ideia de “sair de fininho sem ninguém ver”! Hehe

mulher-irritada-thumb4512778

5. Tudo que seu filho pega, você pega também. Sério, desde doença, sujeira, até piolho! :0 Nossa, não conto as vezes que fiquei doente desde que Davi foi pra escola. Sem exageros, acho que adoeço até mais que ele. Triste realidade!

maedoente

6. Seus momentos íntimos se tornarão públicos. Sabe aquilo de ir ao banheiro, tomar banho, trocar de roupa, dar um cochilo, na maior tranquilidade? Eu não sei mesmo! Haha Minha intimidade e privacidade diminuíram muuuito desde que Davi nasceu. Agora, me considero uma pessoa pública! Haha Todo mundo tem direito de ver tudo o que faço! Ahahahahahhah Aff!

untitled

Sei que parece meio exagerado, mas só descontraindo! 🙂 Ser mãe é maravilhoso, e as dificuldades só tornam a jornada mais linda e desafiadora!

Xero grande!

Meus Escritos

BEDA #19 – Blogagem Coletiva – Para um pai

20160320_161504[1]

(Post rapidinho!)

O dia mesmo já passou. Mas sempre é dia de homenagear quem merece né?

Sabe, sempre senti falta de meu PAI. Ele sempre foi meu heroi, aquela pessoa em quem me espelhava, pra quem eu corria quando tinha pesadelos. Mas tudo mudou depois que ele se separou da minha mãe. Ele encontrou outra pessoa pra amar. Eu, minha mãe e irmãs viemos morar em outra cidade. Nos distanciamos e deixei de ser o primeiro lugar em sua vida. Não era mais sua princesinha, nunca mais seria. E senti MUITA RAIVA, MÁGOA, TRISTEZA… Mas não é sobre mim que quero falar hoje.

Sempre me preocupei com meus filhos, sabem, em que tipo de PAI eles teriam. Não queria, nunca, que eles passassem pelo que passei. E Deus, mais uma vez, foi maravilhoso comigo. Ele me deu não só um marido, mas um PAI de verdade pros meus filhos. E nesse dia AGRADEÇO a você, por estar presente em todos os momentos. Por assistir de perto ao nascimento de Davi. Por colocar ele para arrotar, por vestir, limpar, brincar com ele. Por ajudar nas tarefas de casa, brigar quando necessário, por vestir ele e o levar pra escola, enfim, por estar sempre presente e por fazer questão disso. Não poderia ter escolhido ninguém melhor pra cumprir essa missão comigo. Obrigada por ser o MELHOR PAI DO MUNDO PRO MEU FILHO. Obrigada por ser O MELHOR PAI DO MUNDO QUE CONHEÇO.

Para Max.

BEDA-2016-blogsince85

Blogagens Coletivas · Divagações... · Meus Escritos · Sem categoria

BEDA #18 – Um momento inesquecível

20151006_094442[1]

Poderia falar do dia em que vi seus olhinhos pela primeira vez. Do dia em que pude te tocar, cheirar, embalar em meus braços. Do dia em que, pra todos os efeitos, fui MÃE de verdade. Mas não, hoje vou falar daquele momento, inesquecível, em que você se fez real, mesmo estando dentro de mim. Daquele dia em que pensei ter te perdido. Do sangue, da espera na maternidade, da palavra do médico dizendo “acho que você o perdeu”. Fiz muitas orações naquela noite. Orei como nunca em minha vida. Não consegui dormir. Só o que pedia, o que desejava, o que implorava, era que Deus não o tirasse de mim. E Ele, como pai excepcional que é, cumpriu meu desejo. Naquela manhã, depois de esperar quase 9 horas, pude ter ver novamente, e saber que ainda estavas ali, comigo. E quando você apareceu naquela imagem, e quando o médico me perguntou “você sabe o que é isso”? E quando as lágrimas rolaram em meus olhos, sabia, que pra toda minha vida, esse seria o momento que nunca, jamais, esqueceria. O momento em que te ganhei de novo.

Hoje você é lindo, saudável, maravilhoso, e todas as palavras lindas serão insuficientes para dizer o quanto te amo e sou grata por você. E nunca vou me esquecer daquele dia, daquele presente, daquela segunda chance que Deus me deu para ter você em minha vida…

BEDA-2016-blogsince85

Blogagens Coletivas · Divagações... · Meus Escritos

Dias de (mães) amor, de vida, de DAVI

20150629_211139

Era véspera do dia das mães do ano de 2011. Uma sexta-feira, mais precisamente. Depois de uma noite em claro, um teste e uma verdade, a descoberta de que minha vida seria mudada para sempre: a partir de agora, não estaria mais só. A partir de agora, minha vida seria dividida com mais alguém, que seria a parte mais importante de mim. Naquele dia eu não sabia, não tinha a mínima ideia, mas aquele pequeno grãozinho de vida iria ser a minha maior alegria, quem iria mudar todas as prioridades e arrancar meus mais sinceros sorrisos, aquele ser iria me ensinar a viver.

Passei aquele dia inteiro em casa pensando. Na reação dos meus pais, no emprego que eu não tinha, no fato de não ser casada… Pensei em inúmeras “coisas” negativas, mas nunca em como você me faria passar num concurso, me livrar de um assalto, me fazer trabalhar num lugar que amo, me ensinar a ser mais positiva e mais forte, muito mais forte.

No dia das mães, nosso primeiro juntos, quase não consegui segurar o choro, por estar escondendo algo de minha mãe no dia dela. A ansiedade e o sentimento de culpa eram imensos, e durante nosso café da manhã juntas foi quase insuportável segurar o segredo de sua existência. Não, você não era errado, nem nunca foi. Eu que era imatura e insegura demais. Mas, naquele mesmo dia, ao ficarmos sozinhos por um instante, falei contigo pela primeira vez e cantei para ti a canção que, até hoje, traduz o que sinto por ti. E cantei para ti, para nós, para nos lembrar “como é grande o meu amor por você”.

E o tempo passou. Enfrentamos muitas “barras” juntos. Passamos muitos enjoos, contamos para todos sobre você e, em um dia difícil, pensei que iria te perder. Foi um momento difícil para nós, não é? Nesse momento conheci o medo, um sentimento que até hoje me acompanha. Não um medo infantil, bobo, mas um bem adulto: o medo de te perder. E naquela noite pedi, implorei a Deus, que não te tirasse de mim. E Ele nos atendeu, nos foi fiel, e quando te vi, naquela tela, soube que seria o meu milagre, e que te amaria e te protegeria, mais que tudo o que tenho, pra sempre!

Você nasceu em 29 de dezembro de 2011. Num lindo dia cheio de sol. Você, tão pequeno e indefeso, cresceu e se tornou um menino forte, lindo, inteligente, amoroso, amado por todos. Te amo ainda mais do que em todos aqueles dias que você esteve dentro de mim, e te dou o melhor de mim, em todos os momentos de meu viver. Hoje, minha vida se resume a sua, e meus planos são te amar, te educar, te fazer a pessoa mais feliz do mundo, te dar ao menos um pouco do muito que já me deste.

Todos os dias são teus, todas as horas, suas. Todos os dias das mães, de hoje até a eternidade, nossos. Sim, o dia não é meu, mas nosso. Pois o meu maior presente de dia das mães é, e sempre será, você. Você é minha VIDA, me deu a VIDA. Meu DAVI!

Te amo!

12191717_10207450342518984_5470877887559865017_n

Divagações... · Meus Escritos

Algo assim…

2014-06-17 17.02.42

Queria escrever pra você hoje. Queria poder falar, afirmar, escrever, mais uma vez, o tanto de sentimento que tenho aqui dentro, e é por ti. Queria que você soubesse que, no alto dos seus 4 anos de vida, me fez amar mais do que consegui, nos meus 26.

Queria muito te dizer que sou grata, por cada segundo seu em minha vida, por todas as lições que me ensinou, com sorrisos, beijos, olhares, abraços, palavras. Queria que soubesse que é tudo pra mim!

Você, algo assim, tão pequeno, me fez perder noites de sono, mudar todas as minhas prioridades, desistir de muito do que já havia planejado minha vida toda. Você deu um novo sentido pra minha vida, até então, tão sem sentido.

Você, algo assim, tão indefeso, me deu uma força até então desconhecida. Me fez superar sono, tristeza, doença, me deu uma nova dimensão, me mostrou que posso me superar bem mais do que pensava.

Você, algo assim, tão carinhoso, me fez entender que o mundo pode decepcionar, ferir, magoar, mas você sempre estará ali, do meu lado, com aquele “ombrinho” amigo, com aquele sorriso e aquele jeito de me amar, que me faz sentir a mais especial de todas do mundo inteiro.

Você, algo assim, tudo pra mim, que ensinou tantas lições que não poderia aprender em nenhuma escola do mundo. Me ensinou a ser forte, a ser amiga, a ser mãe, a ser leoa. Me ensinou a defender o que acredito, a viver de acordo com minhas regras, a me valorizar como mulher. Aliás, depois de você, me senti mulher de verdade.

Você, algo assim, tão lindo, tão sapeca, tão inteligente, tão esperto, tão único, tão especial, é o amor da minha vida, hoje, sempre, pra sempre. Te amo, meu filho, infinito!

fUtilidades · SimplicidadeS

De mãe para mães: Como escolher a escola do filho?

escola1

 Oi amores, como estão??

Estou muito feliz hoje, principalmente porque Davi está bem melhor, sem gripes até agora (graças a Deus!)… Pensei em postar hoje minhas respostas da TAG “That’s True?”, afinal hoje é o dia da Mentira 🙂 , mas resolvi esperar as meninas do Amigas e Vaidosas responderem primeiro, daí… tive uma ideia de falar sobre um tema que me preocupou um pouquinho desde o fim do ano passado: a escola de Davi.

Então, ele começou a estudar esse ano, com três anos, e achei essa idade boa (se bem que, se eu não trabalhasse, teria adiado um pouco mais), pois ele já não é tão pequeno, faz xixi tranquilo, sem precisar de fralda. Para as mães que não tem com quem deixar o bebê, porém, acho que não tem problema colocar antes para estudar, se bem que às vezes dá uma pena, não é??

Pois é, nesse processo, minha maior preocupação foi a escolha da escola. Essa etapa é a mais importante, sem dúvidas, pois a escola será responsável pela socialização e educação do seu filho, então deve ser bem escolhida. Das muitas pesquisas que realizei na minha BF – internet – coloquei abaixo as que levei em consideração em minha escolha, e considero as mais importantes de se observar, na prática:

1. Pesquise muito – No meu caso, visitei quase todas as escolas da cidade (como moro em uma cidade pequena, não foram muitas!), e não me arrependo, pois ir em cada uma das escolas é bem importante para escolher a mais adequada para seu filho.

O que observar nas escolas/critérios de eliminação:

2. Espaços da escola Observei a segurança do ambiente, o parquinho, a sala, banheiro… Na escola que Davi estuda, gostei muito pois a sala é bem ampla, tem banheiro dentro (achei bem relevante isso!), salinha do soninho, o parquinho é bem conservado, os brinquedos são adequados para a idade dele, além de haver câmeras em todos os ambientes e segurança na portaria.

3. Limpeza do ambiente – Olhar se a escola é limpa, salas, banheiros, é muito importante também!

4. Confira também os valores da escola, material didático e metodologia – é interessante escolher uma escola com valores parecidos com o seu, pois as festinhas e o que vai ser ensinado vão ser semelhantes aos seus pensamentos (se bem que não acho isso essencial!). Quanto ao material e a metodologia, não acho que seja tãooo importante, mas observei isso na escola de Davi, durante uma visita que fiz no ano letivo, e aprovei!!

5. Número de professores e crianças na sala – Sério, achei bem relevante isso, pois não acho legal colocar muitas crianças numa sala, nem acho que uma professora só dá conta de tudo. Na escola de Davi, são 20 crianças e duas professoras (o que achei bem razoável, se considerarmos que em muitas escolas tem até 30 crianças na sala!!!).

6. Localização – Um dos critérios de eliminação que utilizei. Não adianta encontrar a “escola perfeita” se fica distante de casa ou do trabalho dos pais. No meu caso, a escola de Davi é no caminho entre a minha casa e o meu trabalho, o que facilita muito para mim!

7. Preço – O segundo critério de eliminação! Quando você gosta de mais de uma escola, mas uma delas é muito cara (aconteceu comigo!), pode ser que o preço da mensalidade faça a diferença no momento de escolher.

8. Leve a criança – o passo final (e decisivo!)! Levei Davi em 3 escolas, as que mais gostei, e foi muuuuito produtivo, pois serviu para confirmar nossa escolha. Não importa se você ama a escola, se seu filho não for bem recebido nela (aconteceu comigo 2!). Lembre-se: A escolha é do seu filho, afinal, ele que vai estudar lá, não é mesmo?

Espero que tenham gostado das dicas, e que sejam úteis, para vocês ou alguém que conheçam.

Caso tenham alguma dica a acrescentar, me digam nos comentários!!

Bjuss

Mensagem do Dia: “Para onde me ausentarei do Teu Espírito? Para onde fugirei da Tua face? (Sl. 139:7)